Festinha na escola: Participar ou não?

213

Essa semana tenho visto muitos amigos compartilhando fotos e vídeos dos seus pequenos dançando com roupinhas caipira nas festinhas da escola e faltam poucos dias para a Manu também se apresentar. E a gente morre de fofura, não é verdade?

Mas quanto será que vale aquele vídeo, foto ou momento fofo que a gente posta na internet, recebe uma chuva de likes e passa até a próxima gracinha? Será que o seu filho está realmente feliz participando daquilo tudo? Desde que a Manu nasceu isso tudo se tornou uma reflexão muito grande pra mim…

Eu não lembro exatamente quando comecei a participar das apresentações das escolinhas onde estudei, mas lembro claramente do quanto eu gostava disso e me diverti em uma das apresentações de Dia dos Pais onde dancei usando uma roupa do meu pai. Sabem essas memórias que a gente guarda de quando tinha uns 2 ou 3 anos? Pois é…

Mas eu já percebi que a Manu não é nem um pouco assim. Ela é uma criança extremamente tímida e quem a conhece sabe o quanto ela vem se soltando com o passar do tempo. E temos trabalhado nisso rs

Como já falei por aqui, ela entrou na creche com 7 meses, mais ou menos depois do Carnaval e eu achei que ela era pequenininha demais pra começar a participar logo das apresentações, então deixamos para o ano seguinte. A primeira experiência foi linda, ela tinha acabado de fazer 1 aninho e estava começando a se divertir com os amiguinhos. Parte do cenário da apresentação era uma casinha onde ela já estava acostumada a brincar no parquinho e foi tudo lindo, mas enquanto ela dançava, ficava olhando em volta sem entender o que estava acontecendo. Aí eu paro e penso, será que ela realmente se divertiu? Ou estava ali só fazendo o que as tias pediam e assustada com tanta gente em volta?

Demos mais um tempo e deixamos a próxima participação apenas para a Cantata de Natal, no fim do mesmo ano. Dessa vez, um pouco maiorzinha, ela curtiu participar dos ensaios e até da apresentação, abrindo um berreiro danado quando acabou e ela teve que sair do palco. Ela gostou tanto, que até hoje canta a musiquinha da apresentação.

Daí em diante as próximas apresentações foram um verdadeiro caos! Ela não queria participar, ficava cansada enquanto esperava a hora da dança e sempre chorava pedindo meu colo quando começava. Como eu nunca fui de forçar nenhuma situação, tirava ela no meio das apresentações e ficávamos só assistindo. Foi então que resolvemos cortar as festinhas até que ela se sentisse preparada de novo e quisesse participar.

E aí, no mês passado, uma surpresa! Quando cheguei pra buscar a Manu na escola ela chorava horrores porque não tinha participado do ensaio para a Festa das Avós, que aconteceria 2 dias depois! Conversei com ela, perguntei se realmente queria dançar e liberei. Corri pra acertar os detalhes com a escola (com o prazo de confirmação já totalmente estourado), falei com a minha mãe e no tal dia ela foi pra festa. A Manu acabou se divertindo e participando da apresentação sem chorar (e sem saber a música) e me pediu pra participar da festa julina, que acontece no fim desse mês.

Agora ela tem falado bastante do assunto e tá super empolgada pra dançar!

Esse ano a escola onde ela estuda teve uma iniciativa muito legal que, provavelmente, vai diminuir muito o chororô dos pequenos e o impacto negativo naqueles que são obrigados a ficarem até o final enquanto os pais se divertem tirando fotos: o Arraiá da Família.

Cada criança vai ter um adulto (pai, mãe, responsável, avó, tio, etc) como par e a musiquinha é de uma dupla muito famosa com a qual eles já estão acostumados (mas acho que é segredo rs).
Na minha opinião, essa iniciativa só tem pontos positivos como aumentar o vínculo entre a família e a escola, momento de diversão do pai com a filha (no nosso caso), poder conhecer e trocar ideias com outros pais de crianças da mesma faixa etária, e sem contar a mamãe babona aqui que vai poder tirar muitas fotos!

Acho que isso poderia acontecer sempre, em todas as escolas e ocasiões! As mamães de bebês tímidos agradecem rsrs

Como funciona por aí? Os bebês participam das festinhas? Lembrando sempre que essa é a minha opinião pessoal baseada no meu conhecimento e entendimento do jeitinho da Manu, mas cada caso, é um caso! Gostaria muito de saber o que vocês também pensam sobre o assunto, então, deixem aqui nos comentários, tá? 😉